19.10.21

Colégio Santo Agostinho promove bate-papo sobre o livro Oreosvaldo, o Pássaro das Sombras

 




No dia 19 de outubro, eu me encontrei com os estudantes da manhã e da tarde do Colégio Santo Agostinho, de Belo Horizonte (MG). As turmas também contaram com a presença virtual do ilustrador Maurizio Manzo em uma conversa deliciosa. Havia alunos em casa e outros na escola.

A garotada fez perguntas e matou a curiosidade sobre o processo de criação do livro Oreosvaldo, o Pássaro das Sombras, da Editora Lê! Maurizio e eu revelamos todos os segredinhos que envolvem os bastidores da aventura do poeta e blogueiro misterioso mais amado da internet.

Pena que passou rápido!

Muito obrigado à direção, à supervisão pedagógica, ao setor de biblioteca, à informática (que deu uma forcinha!), aos professores e aos alunos do Colégio Santo Agostinho! Um abração!

Depois dê uma passadinha lá no site do Pássaro das Sombras: www.opassarodassombras.com.br.

Pedro Antônio de Oliveira

23.9.21

Pássaro das Sombras no Colégio Dona Clara






No fim de agosto, tive um encontro virtual sensacional com estudantes e educadores do Colégio Dona Clara, de Belo Horizonte (MG).

O bate-papo aconteceu em duas etapas: com a meninada do 3º ano do período da manhã e, depois, com o 3º ano da tarde.

Os alunos fizeram muitas perguntas sobre a obra Oreosvaldo, o Pássaro das Sombras, da Editora Lê, recentemente adotada pela escola. Entre as dúvidas, a turminha quis saber como surgiram todos aqueles personagens divertidos da história.

Fiquei encantado com as belas ilustrações produzidas pela garotada, todas elas inspiradas na arte do ilustrador Maurizio Manzo que deu vida ao texto do livro. Eles também criaram lindos fantoches da bicharada da trama.

Sem dúvida, uma galerinha atenta, inteligente, educada e participativa! Parabéns a todos(as) pela interação! E um "muito obrigado" às queridas professoras que realizaram esse trabalho literário e pedagógico impecável. 

À direção do Colégio Dona Clara, mais uma vez, minha gratidão. Um abraço especial para a coordenadora Carolina Chagas Fontana.


Pedro Antônio de Oliveira

*Se você estiver acessando os posts de um smartphone, vá até o fim da página e escolha a opção "Visualizar versão para a web" para conseguir ver as imagens e os vídeos.

1.8.21

Um dia especial

 

De repente, um vírus surge e se espalha rapidamente pelo mundo inteiro. Eu não tinha a real noção do que estava acontecendo até receber a notícia de que, no dia seguinte, eu teria que trabalhar em casa, obrigatoriamente, sem prazo para retorno presencial. 

Eu me lembro bem do susto causado pelo vírus ebola, na África, da gripe suína que alcançou dezenas de países, incluindo os Estados Unidos, provocando muitas mortes no México. Não posso me esquecer também da epidemia de cólera no Brasil, no início dos anos 1990, quando passei as férias no Rio de Janeiro e quase tomávamos banho (meus primos e eu) com água mineral, por medo de contaminação (e excesso de zelo dos adultos). Caixas com vidros vazios de água se acumulavam na calçada do prédio onde ficamos hospedados. 

Mas nada se compara ao terror do coronavírus, que nos deixou isolados, amedrontados, indefesos, de máscara (escondendo nosso sorriso); em alguns momentos, sem esperança diante dos milhares de mortes noticiados diariamente no país. Vale lembrar que o Brasil chegou a registrar em março de 2021, em apenas 24 horas, mais de 3.100 óbitos. Uma tristeza, uma catástrofe. 

Após semanas e meses tão sombrios, a luz, o alento, a vacina! Impossível não se emocionar diante da perspectiva (mesmo que distante ainda) de voltar à vida normal. 

Tudo ficou bem diferente na minha rotina. Assumi inúmeras tarefas que antes não eram minhas por permanecer quase todo o tempo fora de casa, trabalhando. Para proteger meus pais, passei a realizar todas as compras e resolver o que fosse preciso, de maneira a evitar que saíssem às ruas. Amadureci bastante diante de um novo desafio, o de me tornar pai dos meus pais, de higienizar tudo o que chegava, de auxiliar minha mãe com a panela de pressão, de fazer caminhada com meu pai como meio de disfarçar a prisão que impus a ele. (Engraçado que sempre sonhei em passar mais tempo com eles, de estar em casa à tarde, como nos tempos de criança, de não ter que me deslocar todo dia para o trabalho, enfrentando trânsito... Não pensei que iria vivenciar essa experiência, só que de um jeito mais angustiante, menos prazeroso.)  

Foram incontáveis situações inusitadas (as quais não vou narrar aqui) como, por exemplo, blindá-los de visitas de familiares nos períodos mais críticos da pandemia e passar horas vendo filmes, séries e vídeos do YouTube para distraí-los, já que a tradicional programação da TV aberta se tornou ainda mais enfadonha e repetitiva com as reprises das novelas que minha mãe sempre fez questão de acompanhar.

Com tudo isso, comecei a experimentar a brincadeira de produzir alguns vídeos para o YouTube. Horríveis, na minha avaliação, em virtude da pressa, da falta de ânimo e da destreza que perdi por passar anos sem gravar coisa alguma. 

Mas está aí o registro da minha primeira dose de vacina contra a covid-19. Na pressa, esqueci o apoio da câmera e fui filmando heroicamente com uma das mãos e dirigindo também com apenas uma delas, o que não recomendo a fazer por se tratar de um ato incorreto em termos de segurança no trânsito.

Perdi a timidez e decidi postar aqui essa alegria como forma de agradecer a Deus a oportunidade de estar vivo, de receber a vacina, e homenagear todos os profissionais que tornaram possível esse dia. Aos cientistas, médicos, enfermeiros, técnicos, todas e todos os envolvidos, o meu muito obrigado, minha gratidão, meu reconhecimento e minhas preces de proteção. 

Que a gente aprenda algo útil e libertador, que haja um significado maior de evolução por trás disso tudo, que possamos enxergar além da materialidade um novo caminho, uma saída para nossas trapalhadas como seres humanos e nos tornemos espécies melhores. Há muito chão pela frente, eu sei. Basta ler os jornais e portais, e constatar ainda tanta desumanidade, tanta destruição da natureza, tanta escravidão de animais e humanos, tanta atrocidade. Quanta falta de bom senso. Quanta ausência de amor.

Mas não percamos a fé e a vontade de sermos um dia, de fato, centelhas de luz nesse mistério todo, que é a nossa existência no universo.

Um abraço a todos e todas. Continuem se cuidando. O meu carinho por sua presença e por sua leitura. Assista ao vídeo. Faça um também. Passe a registrar os dias especiais porque a vida, a vida é tão rara

Pedro Antônio de Oliveira

Registro da segunda dose de imunização contra a covid-19

Registro da terceira dose de imunização contra a covid-19

 

18.6.21

Poesia


Poesia é a vida
que cruzamos com ânsia,
esperando o que leva
sem rumo a nossa barca.

Frederico García Lorca

5.6.21

Mistério do planeta


Vou mostrando como sou
E vou sendo como posso
Jogando meu corpo no mundo
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto
E passo aos olhos nus
Ou vestidos de lunetas
Passado, presente
Participo sendo o mistério do planeta.

Antonio Pires / Luis Galvão

22.5.21

Exercícios de crescer

 

Mesmo com tanta ilusão perdida
quebrada,
mesmo com tanto caco de sonho
até hoje
a gente se corta.

Alex Polari

5.5.21

Minuano


Este vento faz pensar no campo, meus amigos,
Este vento vem de longe, vem do pampa e do céu.

(...)

Minha infância tem a voz do vento virgem:
Ele ventava sobre o rancho onde morei.

(...)

Eu sou o irmão das solidões sem sentido...
Upa upa sobre o pampa e sobre o mar...

Augusto Meyer

13.4.21

Pela janela aberta


Por que será
Que estou sempre dando festas
Pra você dentro de mim?

É sempre assim
Eu enfeito a minha casa com as flores
Que roubei do seu jardim.

(...)

Belô Velloso

28.3.21

Previsão do tempo


Pipas no céu
Crianças nas nuvens.

Miró

Tédio


Adoro esse olhar blasé
Que não só
Já viu quase tudo
Mas acha tudo tão déjà vu 
mesmo antes de ver.

Antonio Cícero

Sonhar


Sonhar é ter um grande ideal na inglória lida:
Tão grande que não cabe inteiro nesta vida,
Tão puro que não vive em plagas deste mundo.

Helena Kolody

Juntos


Daquele que amo
quero o nome, a fome
e a memória. Quero
o agora. O dentro e o fora,
o passado e o futuro.
Quero tudo: o que falta
e o que sobra
o óbvio e o absurdo.

Maria Esther Maciel

17.3.21

Canción con todos


Todas as vozes, todas
Todas as mãos, todas
Todo o sangue pode
Ser canção no vento.

Canta comigo, canta
Irmão americano
Liberte tua esperança
Com um grito na voz.

Armando Tejada Gómez

5.3.21

Esperando aviões

Durante esta pandemia, comecei a rastrear os aviões no céu. Toda tarde, caminhando entre os muros da minha casa, me habituei a seguir aqueles pássaros de ferro por meio de um aplicativo. Então descubro de onde vêm e para onde estão indo. Se vão viajar para muito longe, se trazem alguém de volta pra casa. 

Fico imaginando as pessoas lá dentro com suas histórias, seus sonhos, suas tempestades e alegrias. Fico querendo também ganhar a liberdade, abrir as asas, deixar as preocupações de lado, encontrar meus amigos, abraçar de novo, sorrir, sentir o vento atrapalhar meus cabelos, o sol dourar meu rosto e aquecer minha esperança. 

Tão bonita a vida, tão preciosos os encontros, tão necessário o afeto. Quando foi que começamos a nos perder? Se seguirmos a fumacinha branca daquele avião, encontraremos de novo o paraíso do qual um dia fomos expulsos?

Em tempo: Hoje minha cidade decidiu fechar todo o comércio não essencial outra vez. Agora o perigo do tal vírus ameaça as crianças. Há várias internadas e outras na fila de espera. Estou me sentindo triste.

Pedro Antônio de Oliveira


Busca verdadeira

Esqueçam tudo o que aprenderam.
Comecem por sonhar.

Frase de um cartaz colado nos muros de Paris em maio de 1968

Efemeridade

 

Da estátua de areia
nada restará
depois da maré cheia.

Helena Kolody

21.1.21

Amor nosso


Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. 

Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. 

Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho... o de mais nada fazer.

Clarice Lispector

12.1.21

O jangadeiro


Jangadas amarelas, azuis, brancas,
logo invadem o verde mar bravio,
o mesmo que Iracema, em arrepio,
sentiu banhar de sonho as suas ancas.
Que importa a lenda, ao longe, na história,
se elas cruzam, ligeiras, nesse instante,
o horizonte esticado da memória,
tornando o que se vê mito incessante?
As velas vão e voltam, incontidas,
sobre as ondas (do tempo). O jangadeiro
repete antigos gestos de outras vidas
feitas de sal e sonho verdadeiro.
Qual Ulisses, buscando, repentino,
a sua ilha, o seu rosto e o seu destino.

Adriano Espínola


1.1.21

Evocação mariana


A igreja era grande e pobre. Os altares, humildes.
Havia poucas flores. Eram flores de horta.
Sob a luz fraca, na sombra esculpida
(quais as imagens e quais os fiéis?)
ficávamos.

Carlos Drummond de Andrade